Eu, Tu e os meus sapatos

Louca pela vida. Louca por ti. Louca por escrever. Louca por sapatos.

no sofá

Manhã em modo despacho. (Não são todas?) A donzela tinha análises para fazer (em jejum claro!, imaginam o “Mãeeee tenho fome” de cinco em cinco segundos?). Aproveitar que estávamos no hospital e subir ao piso do internamento para dar um beijinho à minha mãe. E para ela comer sentada e ver um episódio de uma qualquer série no Panda de mão dada com a avó. Deixar a gaiata no colégio e seguir a abrir para o escritório. À hora de almoço uma aula de 30 minutos no ginásio. Hoje que tomei duche lá, quando vou ao outro à porta de casa nunca tomo duche lá, percebi que a fauna tipo se mantém “paguei cinco mil euros por estas marufas de silicone por isso vou estar 15 minutos a massajar os dedos dos pés, nua como nosso senhor e o cirurgião me fizeram que é para o restante mulherio poder observar a obra de arte”. Almoçar a correr e uma tarde enfiada numa sala de reuniões. Sair em stress. A minha mãe não está melhor, tarde para apanhar a Maria, ainda mais tarde para chegar a casa. Entrar em casa aflitinha. Largar o saco da natação dela, o meu saco do ginásio, casacos, batas da escola, malas de portátil e coiso e uma Maria de mãos livres encostada a mim que “estou muito cansada mamã”. Apertar o gordo. Tratar de preparar um puré de batata (bendita bimby) para acompanhar o jantar que (milagre!) preparei ontem. Dar o jantar ao gordo. Ele chega e dá banho aos dois. Fazer chichi (aquele que tinha quando cheguei aflita a casa, remember?). Pôr a mesa. Ir vestir o gordo enquanto ele trata da gordinha. Jantar. Sair para ir outra vez ao hospital. Ver um daqueles programas de decoração maravilhosos com a minha mãe. Voltar. Arrumar o saco da natação dela. Esvaziar o meu saco do ginásio. Preparar novamente o saco do ginásio. Arrumar roupa engomada. Despir, lavar dentes e desmaquilhar. Abrir a cama. Vinte e três horas e sentar no sofá…

São vinte e três e dezassete e acho que vou para a cama.

(Juro que adormecia aqui no sofá não fosse estar tão aflita para dar mama ao gordo… Sou eu que estou aflita. Eu.)

1 Discussion on “no sofá”

Leave A Comment

Your email address will not be published.